Caros petistas, sejam bem-vindos de volta á luta

Primeiro lugar, gostaria de dar as boas-vindas aos amigos e militantes petistas que saíram nesta semana do Estado para voltar à sociedade civil de verdade, aquela que desacata. Um espaço que estava amansado por uma índole pelega que – como já era de se esperar – tomou conta do país nos anos 2000. Em qualquer parte do mundo, esta é a regra do jogo. Quando boa parte dos ativistas vão para a estrutura do Estado, eles e suas organizações são, em consequência, engolidos por este Estado. Isto apaga a chama das lutas por questões que realmente fazem sentido.

A vida é assim.

A expectativa agora é que vocês reativem este espaço que precisa ficar pulsante nas ruas, nos bairros, nas associações de classe – nos espaços conquistados e convidados (parlamentos, conselhos, etc….). Para quem está cansado do poder exclusivamente político-partidário e enxerga a participação direta do povo em questões que realmente interessam, o retorno de vocês é um alento. Sejam bem-vindos.

Endosso os clamores que exigem que a democracia siga um caminho que renda frutos para a nação, não somente para a elite. Condeno a resposta agressiva da polícia, que a cada ação desproporcional destrói a vida de várias pessoas de bem. Jovens que têm muito para contribuir para o país, que os agentes públicos de segurança deveriam defender, mas acabam alejando. É deplorável a incompetência gritante do Estado no setor da segurança em todas as dimensões.

Gostaria de estar ao lado dos militantes nas ruas se me identificasse com suas bandeiras desbotadas político-partidárias, mas não consigo. Desculpem, eu abraçaria o discurso de novas eleições, um revival do “Diretas Já!”. Aliás, isto faria muito sentido neste momento.

Para mim, os que acham que houve golpe e os que acham que não houve golpe não merecem Michel Temer nem como representante de turma numa escola primária, quanto mais em um mandato tampão num momento tão conturbado. Digo isto ao observar tudo o que está por trás de Temer e de seus amigos que capturaram o governo em uma manobra que não teve nada de genial. Foi uma ação articulada que encontrou espaço na inépcia política da presidente e de companheiros que criaram raízes no poder e se desgastaram, fazendo alianças até com aquele que “cheira a enxofre”. Aliás, Temer abriu a porta dos fundos desta casa para um grupo cansado, indiciado e obscuro. Todos estão vendo isto.

Por outro lado, os viúvos da presidenta deposta tentam capturar uma luta que deveria ser de todos os brasileiros. Mas por que não é?

Vejamos, eles não estragam a luta porque, afinal de contas, alguém tem de começar. No entanto, eles a ideologizam com um discurso que não convence a todos. É bom ir para rua, mas é melhor ir para a rua lutar por algo que faça sentido para todos. E vocês têm tudo isto caindo de maduro na frente de vocês. A democracia faz sentido, eleições diretas fazem sentido, mas a anulação de um processo legal não faz sentido.

Vejo imagens da ocupação dos espaços públicos pela retórica do golpe, que não convence a todos e é político-partidária. Não houve golpe de Estado, mas a radicalização do estado de direito. Isto acontece de vez em quando no Brasil… muito mais em nível local, eu diria. E sempre quando é conveniente para alguns. Como aconteceu com Collor, por exemplo. Não digo que isto é bom, mas o sistema permite isto. E em 13 anos, ninguém conseguiu mudar o sistema. Por que?

Aliás, um Estado radicalizado exacerba o seu poder, torna-se inconveniente ao desenvolvimento político pelas suas arbitrariedades e ao desenvolvimento econômico por conceder privilégios a quem é do time ou beneficia o time. O mínimo que eu espero é que o tal “crime de responsabilidade” que valeu o impeachment da presidenta sirva de exemplo e inspiração para a limpeza necessária e atrasada. Agilizar o julgamento dos parlamentares indiciados e dos governadores que cometeram e cometem crimes de responsabilidade, por exemplo, passa a ser o caminho natural das coisas. Qualquer ação que não seja esta nos retoma ao pesadelo da terra da impunidade e da politicagem.

Creio que a atual mobilização e ação coletiva do Judiciário, da PF e de setores da sociedade civil está tendo algum sentido, mas tem de continuar. Do contrário, a ofensiva contra a presidenta será vista historicamente como politizada.

Para mim, a missão da década de 2010 é despolarizar o Brasil. E a figura indigesta de Temer e seus convidados, convenhamos, não vai conseguir fazer isto. Unir vozes por democracia, eleições diretas e limpeza da estrutura do Estado é dever de todos. Está na hora dos cidadãos de qualquer cor partidária, que se identifiquem ou não com Dilma, participarem e ocuparem os espaços públicos unindo vozes. A maioria da população quer algo novo, mas quer algo novo de verdade.

Com todo o respeito a Paulo Paim, Raul Pont e Olívio Dutra – ativistas e políticos de boas ideias e respeitáveis – não creio que seja a hora de discursos populistas político-partidários. O momento é para ação nas ruas, mas com uma retórica lógica. Do contrário, não haverá mudança. Temer tem, sim, medo do povo. Mas não vai se abalar facilmente. Ele está bem calçado.

A elite brasileira está apoiada por quem manda no mundo, tem sangue de barata  e está fortemente armada contra o povo nas ruas. Aliás, sempre esteve.

Anúncios

Deixe seu comentário no blog para que outros leitores conheçam a sua opinião.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s